Uma breve, mas impressionante, história visual do Burlesco na década de 1950

Hoje, burlesco é nada menos do que uma forma de arte. Executantes masculinos e femininos combinam os aspectos mais explosivos de figurinos, dança, comédia e teatro em um tipo de entretenimento ao vivo que, naturalmente, coloca a nudez em um pedestal. Dita Von Tesse e World Famous BOB transformaram o gênero em uma prática evolutiva que desafia o convencional – de política de gênero para a sexualidade e percepção do público sobre o corpo nu.

O burlesco tem raízes históricas na cultura menestrel da América, que datam da década de 1840. No entanto, a versão que conhecemos hoje – uma fusão de humor Vaudeville e striptease – tornou-se popular no início dos anos 1900, quando artistas (a maioria mulheres) chegou a clubes e locais da Broadway como a sua própria marca de música, dança e nudez provocativa. A Lei Seca tomou carona com o burlesco, com políticos moralistas e figuras autoritárias que fizeram possível o burlesco . Felizmente mulheres comoSally Rand, Gypsy Rose Lee, Tempest Storm, Lili St. Cyr, e Blaze Starr emergiram como ícones.

Mergulhamos nos arquivos fotográficos para mostrar um pouco do visual burlesco na década de 1950.

Contemplem:

 

Fonte: “A Brief But Stunning Visual History Of Burlesque In The 1950s” por Katherine Brooks