Maxime Ballesteros, sexo e destruição em fotografia fashion

maxime-ballesteros-07Olhar para as imagens de Maxime Ballesteros é como evocar uma série de referências familiares misturadas a um estranhamento que faz do seu trabalho algo novo e instigante. É como se tivesse encontrado (e recortado) as modelos de Helmut Newton sob a luz de Wolfgang Tillmans numa festa de Terry Richardson. Há quem associe ainda o trabalho do artista a Corinne Day, Larry Clark e Ryan McGinley. Nesse liquidificador parece haver uma pitada de olhares clássicos e contemporâneos e um je ne sais quoi que pulsa, inquestionavelmente, a energia do sexo. O resultado pode ser ao mesmo tempo erótico, instigante e perturbador.

Meias de seda, escarpins, látex, corsets e lingeries. Os elementos clássicos do fetiche estão muito presentes no trabalho do fotógrafo, mas passam longe da imagem erótica simplista. “Provocativo e sexual não seriam as palavras que eu usaria para me referir ao meu trabalho. A não ser que a foto seja encenada – e neste caso, isso estará claramente visível – minha abordagem é muito parecida com a do documentário. E meu trabalho é provocador e sexual na mesma medida que o mundo é, do meu ponto de vista. Talvez a questão sexual seja a que chame mais a atenção porque é secretamente a que nos conduz?”, questionou, em entrevista à revista inglesa Sang Bleu, em cuja galeria, em Londres, fez exposição em outubro do ano passado.

De fato, as imagens de Ballesteros escancaram o sexo para abordar questões que vão além do tema e passam por solidão, beleza, inadequação, hedonismo, liberdade e ironia. Com o flash frontal quase agressivo, os recortes de realidade (repare, as fotos quase sempre são fragmentos de uma cena, não ela inteira) parecem ao mesmo tempo crus e surreais ou oníricos. Não à toa, muitas das fotos já ganharam mostras individuais e coletivas em galerias em Nova York, Berlim, Los Angeles, Bruxelas e Milão. Um dos trabalhos mais marcantes do fotógrafo é a série Entre Chien et Loup. O título é uma expressão francesa que diz respeito ao momento do entardecer entre o dia e a noite, quando “você não consegue distinguir um cachorro de um lobo. As coisas começam a se fundir, um mundo entrando no outro”, segundo o artista. Feitas sob a luz desse período do dia, muitas fotos lembram versões hipermodernas de naturezas-mortas. Mesmo as pessoas, em vários momentos, fazem a função de objetos dentro de um cenário.

Ambientes abandonados e objetos deteriorados também são constantes no trabalho de Ballesteros em suas “naturezas-mortas”, que envolvem carros detonados, paredes descascadas e detalhes de muros pichados, incorporando a ideia da imperfeição, da estética do erro, e mesmo da destruição às fotos. “Coisas, a natureza, pessoas, famílias estão sujeitas à destruição. Isso pode ser positivo e negativo; você pode lutar contra isso ou abraçar. Traços de destruição podem revelar o mundo, lembrar-nos da morte e fazer com que deixemos a vaidade de lado por um instante. Pode ser triste e frio, mas também cheio de vida e perspectivas. Sexo e destruição parecem ser algo que une diferentes mundos e sociedades.”

Texto originalmente publicado na FFWMAG 41, já em bancas

8 dicas para modelos que vão fazer os fotógrafos amar você

Ser modelo é um trabalho difícil. Você está constantemente sendo julgado com base em sua aparência, seu corpo, seu desempenho, sua personalidade, e sobre qualquer outra característica pessoal que se possa imaginar. Isso pode ser esmagador. Aqui vamos dar 8 dicas que farão automaticamente os fotógrafos amar trabalhar com você.

Modelo: Anna Novaes Beleza: Max Araújo Direção : Vanilson Coimbra Realização: ‪#‎officeimshoot‬

  1. Não use roupas apertadas para ir trabalhar: Deixe o seu jeans colado em casa, roupas muito justas vão deixar impressões em sua pele ao longo das costuras e cintura. Isso é mais uma coisa que o fotógrafo vai ter que retocar. Apresentar-se para um trabalho com um vestido folgado ou uma calça folgada é perfeitamente aceitável. Eu prometo.
  2. Faça uma pesquisa: Pergunte ao seu booker quem é o fotógrafo, olhe para alguns dos trabalhos dele. Mesmo que seja apenas em uma pesquisa no seu telefone e procure pelo website ou portfólio dele. Isso vai trazer benéfico em vários níveis. Em primeiro lugar, ele ajuda você a ser um modelo seguro, consciente. Por exemplo: se você fica desconfortável com imagens mais provocantes e está sendo enviada para um fotógrafo que gosta de elevar os limites isso pode ser um desastre. Isso também mostra um pouco de respeito com os fotógrafos que você está trabalhando, seu tempo é tão valioso quanto o dele. O cliente viu os seus trabalhos e gostou, você deve, pelo menos, ter o tempo para verificar os trabalhos deles também.

    Modelos: Kauana Gomes (Unique) Moda: officeimshoot e Lllola lab Beleza: Max Araújo

    Modelos: Kauana Gomes (Unique)
    Moda: officeimshoot e Lllola lab
    Beleza: Max Araújo

  3. Tenha um pouco de imaginação: Alguns fotógrafos querem uma tela totalmente em branco onde eles possam moldar qualquer visão. No entanto, ter um pouco de imaginação na frente da câmera quase sempre será um sucesso. Se o fotógrafo meticulosamente orienta cada pose, basta confiar e ir com ele, algumas pessoas preferem trabalhar dessa forma. Mas se eles são um pouco mais abertos, tente coisas diferentes. Esqueça coisas como livros e manuais “101 Poses Para Ensaios de Moda”. Traga um pouco de sua própria criatividade.
  4. Não peça as fotos cruas: Alguns fotógrafos gostam de enviar algumas imagens de visualização durante o ensaio, isso é uma técnica muito comum para motivar as modelos, mas essas são imagens em um estado inacabado que provavelmente não destinam-se a ser visto pelo público. Ele também pode colocar em risco qualquer possível publicação das imagens.
  5. Saiba ver a luz: Bons modelos entendem algo de luz. Se você está fotografando em um estúdio, preste atenção para onde o fotógrafo coloca as luzes. Se você está fotografando em uma externa observe onde o sol está. Não coloque membros ou objetos entre a luz e seu rosto para não fazer uma sombra. Se você não sabe onde sua luz principal está vindo, pergunte! Isso mostra iniciativa e ajuda a entender melhor a sua amplitude de movimento e como direcionar suas poses.

    Modelo: Luiza Nobre (Ünique Model) Beleza: Max Araújo

  6. Seja pontual: Tente o seu melhor para chegar no horário ou pelo menos perto dele. Entendemos. Você saiu de um trabalho do outro lado da cidade e precisa encontrar o endereço do estúdio em um bairro que não conhece. Basta fazer o seu melhor para ser pontual. Se você tem que cruzar a cidade para chegar não deixe o apartamento 15 minutos antes da hora marcada. Se você não vai conseguir chegar no horário envie uma mensagem ou ligue para avisar. Isso é apenas o senso comum.
  7. Marque sua equipe: Se você está postando suas imagens em mídias sociais, é cortesia comum marcar as pessoas que contribuíram para tornar possível aquela imagem acontecer. Marque o fotógrafo, estilista, maquiador, e qualquer outra pessoa que contribuiu. Eu não estou dizendo que você precisa marcar os quatro assistentes do fotógrafo e o cachorro do estilista mais o recepcionista do prédio. Mas a principal equipe criativa que trabalho no ensaio. Compartilhe o centro das atenções com você. Isso contribui com usa networking e você nunca sabe quando alguém pode vir a calhar para você mais tarde.

    Modelos: Marcella Tosetto (Officeim) Beleza: Max Araújo

  8. Não coloque filtros nas fotos: Nós passamos muito tempo aperfeiçoando nossas habilidades, estudando e aprendendo Photoshop e outros softwares (ou desenvolvimento e filme de impressão em alguns casos), tendo aulas de teoria da cor. Quando nós enviar-lhe uma edição final de uma imagem, é assim que temos a intenção de que ela seja vista. Se você realmente não gosta da maneira como um fotógrafo processou uma imagem, respeitosamente diga isso a ele, mas não jogue um X-Pro II sobre a foto porque você acha que fica legal assim.

 

Estas são dicas simples que vão te valorizar para os fotógrafos, são coisas gentis que vão dizer muito em seu favor. E você nunca sabe, talvez eles recomendem você ou te queiram em seu próximo trabalho. Boca a boca vale muito nessa área.

E você? Tem as suas próprias dicas? Deixe um comentário!

 

Esse post foi inspirado no 8 Tips For Models To Make Photographers Love Them de Dana Pennington