“Ageless Beauty”: mulheres com mais de 45 anos posam nuas

“Queria mostrar às mulheres – apesar daquilo que a sociedade lhes diz – que envelhecer apenas as torna mais fortes e bonitas, e que deviam assumir isso”, explicou o fotografo Demetrius Fordham ao jornal Huffington Post’.

Abaixo depoimento de duas modelos

“Beleza é ver o processo orgânico dos efeitos do tempo e das experiências, quer seja o intemperismo de um objeto inanimado, ou o envelhecimento de um ser vivo. O uso, as cicatrizes, a descoloração de todas as coisas, representam beleza para mim”, disse Victoria, 50.

“Faço 49 anos em abril, mas a idade é apenas um número – a saúde, energia e alegria da vida são os verdadeiros indicadores da idade. A beleza é uma ilusão, o equilíbrio harmonioso efémero de elementos, o yin e o yang e a energia do amor, como percebido através dos nossos seis elementos”, acrescentou Masha, 48.

 

Fotógrafos para conhecer: Helmut Newton

“As primeiras 10 mil fotos são as piores”

Helmut Neustädter, foi um fotógrafo de moda alemão, naturalizado australiano, famoso por seus estudos de nus femininos.

Filho de um fabricante de botões judeu-alemão e de uma americana, desde muito jovem interessou-se por fotografia, tendo trabalhado para a fotógrafa alemã Yva (Else Neulander Simon).

Em 1946 instalou um estúdio fotográfico no qual trabalhou principalmente com moda, nos afluentes anos pós-guerra. Pouco tempo depois tornou-se cidadão australiano. Nos anos seguintes viveu em Londres e Paris, e trabalhou para a Vogue francesa. Passou os últimos anos de sua vida em Monte Carlo e Los Angeles. Morreu em um acidente de automóvel na Califórnia. Suas cinzas foram enterradas em Berlim, Alemanha.

Helmut Newton não gostava de fotografia a cores e de fotos com fundo branco. O objetivo do seu trabalho era entreter e seduzir.

Além de utilizar muito a foto a preto e branco, Helmut Newton tinha alguns cenários nos quais achava que a mulher devia ser representada, como hotéis, carros e a própria rua.

Também via o contraste entre o local de fundo e o modelo como algo muito importante. Quanto ao equipamento, utilizava apenas o indispensável. Criou um mundo de mulheres onde há, sim, homens, desde que eles não sejam os protagonistas. Para criá-lo, o fotógrafo berlinense misturou mulheres incomuns e homens em sua maioria figurantes à vida corriqueira.