Fotógrafa gaúcha faz seu próprio ensaio nu, super sensual

Ninguém conhece o próprio corpo assim como o dono, não é mesmo? Na hora da foto muita gente sai melhor nas selfies do que em fotos posadas, e foi pensando nisso que uma fotógrafa gaúcha resolveu fazer seu próprio ensaio nu com muita sensualidade.

Raquel Duarte se diz especialista em ensaios sensuais, e já que possui uma boa forma não deixou isso de lado e resolveu se autofotografar.

“Desde pequena tenho interesse em observar imagens, compor looks. Muitas pessoas contam histórias com a linguagem escrita. Eu gosto de contá-las através das fotografias e tudo o que envolve a sua composição”, disse em entrevista ao portal Ego ao lembrar que aos 15 anos descobriu qual seria seu estilo fotográfico ao achar em casa uma revista de um nu feminino e se apaixonar pela arte.

A fotógrafa revela que deseja um dia ser clicada por J.R. Duran. “Neste momento estou em fase de adaptação, aprendendo e conhecendo novos profissionais e o mercado de fotografia. Meu objetivo é aprender, acumular experiências, estudar mais arte, composição e técnica. Gostaria de fotografar várias pessoas e gostaria de ser fotografada por J.R. Duran. Acredito que isso seja também um fetiche”, diz.

Acompanhe o resultado:

Fonte: amorpelafotografia.com

Backup em nuvem para fotógrafos

tdrygnmvbf8uv1f78ncbConfiar apenas em uma cópia de segurança é um erro gritante para qualquer profissional de fotografia e de outras áreas, é um ditado tradicional já na área da tecnologia da informação a frase: “um backup é igual a nenhum backup”.

Para isso é preciso pensar em redundância de dados, o autor Peter Krogh, especializado em gerenciamento de bens digitais sugere uma estratégia chamada “Regra 1-2-3”, em palavras simples ter três cópias dos dados em locais fisicamente distintos, assim em caso de um roubo ou incêndio, por exemplo, seus dados ainda vão estar protegidos.

No entanto não são todos os fotógrafos que possuem um escritório, muitos trabalham apenas em casa e fazem seus backups em HDs externos que ficam no mesmo local dos seus computadores, como ter uma cópia que não seja sujeita a danos e roubo por estarem fisicamente no mesmo lugar?

No entanto muitos fotógrafos não possuem escritórios e trabalham em casa dificultando essa importante prática, para essas pessoas um armazenamento em nuvem é uma ótima opção. Existem diversos serviços oferecidos no mercado e o espaço disponível para armazenamento varia muito entre os serviços. O Mega, que oferece 50 GB. Além da capacidade disponível, é importante falar das restrição de banda, alguns serviços limitam a quantidade de megabytes que você pode enviar por hora, mês ou dia. Os únicos sem restrições são Amazon Cloud Drive, Cubby, MediaFire, OneDrive e Syncplicity. No Dropbox o limite é de 20 GB por dia; o Apple iCloud, 200 GB por mês ou 6,66 GB por dia; o Box, 10 GB por mês ou 0,33 GB por dia. O ideal é que o serviço não
imponha restrições já que estamos falando de um volume muito grande de informações, é fácil um único trabalho fotográfico ter entre 15 até 60 GB de dados.

Minha escolha entre todos esses serviços ficou mais fácil quando a Amazon em março de 2015 anunciou uma modalidade de assinatura para o Amazon Cloud Drive de espaço ilimitado apenas para fotografias pelo valor de $ 11.90, como fotos esse serviço considera arquivos JPEG, BMP, PNG, TIFF e RAW. Mesmo em épocas de alta do dólar, pagar cerca de R$ 50,00 (considerando uma cotação de R$ 3,94) por um armazenamento sem limite de envio de dados é bastante atraente para fotógrafos, o software de envio da Amazon Cloud Drive não é dos melhores, para contornar isso tenho utilizado do odrive um software freeware capaz sincronizar diversas nuvens.

Recomendo bastante o serviço que pode ser experimentado por três meses gratuitamente, e você? Recomenda alguma serviço de backup em nuvem?